Activista expõe esquemas de corrupção do governador do Zaire e recebe ameaças de morte
Activista expõe esquemas de corrupção do governador do Zaire e recebe ameaças de morte
Nsinsa

O activista cívico Jerónimo Nsinsa está a enfrentar ameaças de morte após denunciar alegados esquemas de corrupção envolvendo o governador da província do Zaire, Adriano Mendes de Carvalho, e o seu secretário.

Nsinsa tem utilizado as redes sociais para revelar detalhes destas supostas práticas corruptas, o que o colocou no centro de uma investigação do Serviço de Investigação Criminal (SIC).

O activista acusa o governador Mendes de Carvalho de estar envolvido em pagamentos irregulares a empresas ligadas a si – empresas, que, segundo Nsinsa, não prestam serviços ao Governo. Entre as empresas citadas encontram-se a UNIF 300, a Fortes Comércio e Serviços, a PSTEC e a Firework, esta última relacionada com o sector farmacêutico.

Nsinsa afirma que estas empresas têm recebido pagamentos exorbitantes sem a devida prestação de serviços ao Zaire. “A empresa Unif recebeu 57 milhões de kwanzas para comprar tinteiros, para comprar resmas e papel higiénico. Não é possível que se gaste 57 milhões de kwanzas em papel higiénico. A empresa Fortes Comércio e Serviços recebeu 179 milhões de kwanzas sem prestar serviços”, acusa.

De acordo com Nsinsa, os pagamentos são efectuados sem a existência de contratos formais, e as ordens de pagamento são assinadas pelo próprio governador e por vice-governadores. O activista destaca que as evidências documentais sustentam as suas acusações e que há falta de transparência nos gastos públicos na província do Zaire.

“Porque é que a PGR não age?”

O activista expressa frustração com a falta de acção por parte da Procuradoria Geral da República (PGR) em relação às suas denúncias, afirmando que a PGR parece ignorar as alegações de corrupção. Além disso, destaca que não apenas ele, mas também empresas directamente envolvidas nos alegados esquemas corruptos, foram ignoradas pela investigação.

“Neste processo, sou o único que estou a ser notificado, que devo continuar a prestar depoimento. Mesmo as empresas que vão saqueando o Estado, o Sistema Integrado de Gestão Financeira do Estado (SIGFE), onde se faz toda a manobra corruptiva, estão lá no Zaire, entregamos as listas das empresas, as ordens de saque, as datas de pagamentos, as contas bancárias. Porque é que o Ministério Público e o SIC não vão atrás destes factos?”, questiona.

Por sua vez, o deputado da UNITA pelo ciclo provincial do Zaire, Pedro Tanda, apoia Nsinsa e critica a actuação da PGR, sugerindo que a procuradoria está alinhada com os interesses do governador Mendes de Carvalho.

“O processo é público, vamos à PGR e ao SIC para sabermos o andamento. Fala-se de fundos e os fundos são públicos, como deputados isso nos interessa. Vamos lá saber se há transparência”, garante.

Autoridades em silêncio

“Não podemos manter-nos calados face às acusações directas feitas ao governador”, continua o deputado. “Também não podemos admitir que diante destas denúncias se levantem processos de calúnia e difamação contra os ativistas”.

Até ao momento, o governador Mendes de Carvalho não emitiu uma declaração pública sobre as alegações. A DW África tentou contactá-lo, mas não obteve resposta. Na segunda-feira (28.08), a DW voltou a contactar o gabinete de comunicação institucional e imprensa do Governo do Zaire, mas não teve resposta.

A situação continua a atrair atenção, levantando preocupações sobre a protecção dos activistas que denunciam corrupção e a necessidade de um aprofundamento na investigação das alegações feitas por Nsinsa. A transparência e a imparcialidade são factores cruciais neste cenário, conforme insta a opinião pública.

in DW

Siga-nos e deixa um:
fb-share-icon0
Tweet 5k
Pin Share20

Compartilhar:

Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Facebook0
Twitter
Visit Us
Follow Me
LINKEDIN
INSTAGRAM
error: Conteúdo protegido