Ângelo, a história mal contada – Graça Campos
Ângelo, a história mal contada – Graça Campos
G.campos

O MPLA, partido de que se diz membro desde a sua adolescência em Benguela, tem encorajado os seus militantes e simpatizantes a serem mais actuantes nas redes sociais, que são hoje as principais plataformas de comunicação entre os humanos.

Mas, se dependesse exclusivamente do militante Ângelo da Veiga Tavares, os militantes do MPLA deveriam afastar-se, o mais longe possível, das redes sociais.

Quarta-feira, na entrega do testemunho ao seu sucessor, o militante e ex-IGAE (Inspector Geral da Administração do Estado), Ângelo Tavares exortou os seus ex-colegas para não se deixarem “levar por aquilo que vai circulando nas redes sociais” porque “têm uma função mais negativa do que positiva”.

É compreensível a frustração de Ângelo Tavares com as redes sociais. Sem elas, muitos angolanos teriam “engolido” a patranha, espalhada por ele próprio, segundo a qual deixou a IGAE a seu pedido.

Ângelo da Veiga Tavares não deixou a IGAE por vontade própria. Foi empurrado borda fora por usurpação de competências alheias, de que resultou conflitos com vários auxiliares do Titular do Poder Executivo.

A alínea r) do artigo 6º do Estatuto Orgânico da IGAE estabelece que ela deve “remeter aos órgãos competentes, em caso de apuramento de factos que se configurem de responsabilidade criminal e financeira os relatórios das acções inspectivas, servindo estes de meros termos de referência processual e, não de corpo de delito”.

Há algumas semanas, sob a batuta de Ângelo da Veiga, a IGAE fez um verdadeiro carnaval e um autêntico linchamento público às anteriores administrações da Empresa Pública de Água de Luanda (EPAL).

Sem precisar a data em que teriam ocorrido supostas irregularidades e nem os seus autores, a IGAE generalizou a suspeição a todos os cidadãos que desempenharam cargos de direcção naquela empresa.

É por causa da assanhadisse de Ângelo Tavares que o Presidente da República quarta-feira chamou à atenção do novo IGAE a resistir à tentação de usurpação de competências alheias.
“Naqueles casos que houver necessidade de intervenção de outros órgãos, nomeadamente dos Serviços de Investigação Criminal, do Ministério Público – portanto da Procuradoria-Geral da República –, procure sempre cooperar com eles, resistindo à tentação de querer substituí-los”, determinou o Presidente da República.

No discurso de despedida, o ex-IGAE não apenas mostrou asco às redes sociais como expôs, de maneira crua, a sua fanfarrice.

Quem tenha tido acesso à curta peroração de Ângelo Tavares ficou claramente comovido com a quantidade e qualidade de trabalho realizado em condições adversas.

“Apesar do curto tempo que nós estivemos à frente da IGAE e não obstante algumas dificuldades, nomeadamente a cativação dos duodécimos durante praticamente quatro meses (…) conseguimos realizar algumas acções que certamente vão contribuir para que a TAAG, Porto de Luanda, BPC, EPAL, as administrações municipais, os hospitais e “principalmente a Agência Nacional de Petróleo e Gás melhorem na sua gestão. As insuficiências e irregularidades detectadas e as orientações baixadas vão certamente contribuir para que esses órgãos funcionem melhor no futuro”.

Infere-se que antes de Ângelo Tavares, as empresas que nomeou eram geridas com modelos inspirados em cantinas de mamadus.

Na véspera da sua exoneração, Ângelo da Veiga Tavares bateu todas as portas possíveis para chegar à fala com o Presidente da República, a quem pretendia implorar a continuação no cargo.

Avisado das tropelias do antigo ministro do Interior, o Presidente João Lourenço não só se recusou a recebê-lo como ordenou que nenhuma dependência do palácio presidencial escancarasse as suas portas a Ângelo Tavares. Dir-se-ia que só não moveu montanhas porque nem essas se mostraram disponíveis…

Em suma, está muito mal contada a história da demissão a pedido do próprio. Não se sabe se entre o “espólio” que deixa ao seu sucessor consta a lista dos “agentes activos e passivos” que andariam mancomunados com “imprensa mercenária” para fazer resistência à luta contra a corrupção.

*Jornalista

Siga-nos e deixa um:
fb-share-icon0
Tweet 5k
Pin Share20

Compartilhar:

Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Facebook0
Twitter
Visit Us
Follow Me
LINKEDIN
INSTAGRAM
error: Conteúdo protegido