Angola prevê adquirir vacina contra a malária
Angola prevê adquirir vacina contra a malária
vacina malaria

A ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, anunciou, no sábado, 8, em Luanda, que Angola está no grupo dos países para a aquisição da vacina da malária em África.

“Estamos a trabalhar, em coordenação com a Organização Mundial da Saúde (OMS) e outras agências, que têm a autorização de certificar vacinas. Colocamos o nosso país na corrida para a aquisição da vacina da malária que será uma revolução para nós”, esclareceu a ministra no final de uma visita de constatação das obras em curso dos hospitais Geral de Cacuaco, Américo Boavida e Neves Bendinha.

Sílvia Lutucuta assegurou que “não se pode olhar a doença na vertente hospitalar e assistencial para o tratamento da doença, mas trabalhar para prevenção”.

“Precisamos tomar um conjunto de medidas”, disse a ministra, lembrando que o Executivo está preocupado e a trabalhar de forma coordenada no sentido de melhorar cada vez mais a assistência médico sanitário das populações.

Recentemente, a Organização Mundial de Saúde (OMS), a Aliança Global para Vacinas e a Unicef anunciaram que a primeira vacina contra a malária será distribuída, pela primeira vez, a 12 países africanos nos próximos dois anos.

Desde 2019 que o Ghana, Quénia e Malawi aumentaram significativamente a administração da vacina contra a malária através de um programa piloto, que chegou a mais de 1,7 milhões de crianças nos três países, demonstrando ser segura e eficaz.

Apesar de 28 países terem manifestado interesse em receber esta primeira vacina contra a malária, apenas 12 países vão receber as 18 milhões de doses disponíveis.

A escolha dos países teve a ver com a definição das zonas mais necessitadas, onde o risco de doença e morte por malária entre as crianças é maior.

Dados oficiais dão conta que Angola registou, no primeiro trimestre, mais de dois milhões de casos, dos quais duas mil e 673 morreram.

Em 2022, de acordo com dados oficiais, foram notificados nove milhões 211 mil 346 casos de malária, sendo os maiores de 15 anos de idade, a faixa etária mais atingida com 38 por cento dos casos.

Em Angola, a malária é um problema grave de saúde pública e constitui a primeira causa de morbimortalidade geral.

A malária é uma das doenças mais mortíferas em África, matando quase meio milhão de crianças com menos de 05 anos todos os anos, e representa aproximadamente 95% dos casos mundiais de malária e 96% das mortes em 2021.

in Angop

Siga-nos e deixa um:
fb-share-icon0
Tweet 5k
Pin Share20

Compartilhar:

Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Facebook0
Twitter
Visit Us
Follow Me
LINKEDIN
INSTAGRAM
error: Conteúdo protegido