Biografia de Camões será publicada em Junho
Biografia de Camões será publicada em Junho
luis C

Uma biografia de Luís de Camões vai ser publicada em Junho, nos 500 anos do poeta, mostrando o homem por detrás do mito, num trabalho de cinco anos de Isabel Rio Novo, que lhe trouxe “muitas surpresas”.

A primeira reacção foi de medo, depois de aceitar o desafio lançado pelo editor da Contraponto para escrever uma biografia de Luís de Camões, quando se apercebeu do “aparente poço sem fundo em que tinha decidido mergulhar”, contou a escritora e investigadora, em entrevista à agência Lusa.

Este é o segundo volume da colecção de “Biografias de Grandes Figuras da História de Portugal“, que arrancou em 2020 com a biografia do Marquês de Pombal, e que conta com o apoio do Camões — Instituto da Cooperação e da Língua e da Fundação Oriente.

“De início fiquei muito assustada: primeiro, porque tinha acabado de sair de uma grande empreitada – a biografia de Agustina Bessa-Luís, na coleção ‘Grandes Figuras da Cultura Portuguesa Contemporânea’ – e depois pela figura proposta”, revelou Isabel Rio Novo.

Para a editora, o quinto centenário do nascimento de Camões proporcionava uma oportunidade singular para refletir sobre o legado de um poeta amplamente presente tanto na literatura quanto na identidade portuguesa.

Por isso, para Isabel Rio Novo, não se tratava apenas da biografia de mais um grande vulto, mas de “toda essa carga de sentido que atribuímos a Camões”.

O trabalho, que se iniciou em 2019 e está em fase de conclusão, obrigou a autora a mergulhar a fundo em todas as biografias antigas e recentes, na pesquisa de fontes conhecidas e na reunião de informação que estava dispersa.

A pandemia que se interpôs no caminho de Isabel Rio Novo teve a desvantagem de a obrigar a protelar viagens necessárias, mas teve como vantagem dar-lhe mais tempo e facilitar as pesquisas à distância, contou.

Foi então à distância que contactou com pessoas que lhe deram informações, que lhe enviaram documentos e de quem recebeu pistas de investigação; fisicamente, quando as barreiras impostas pela pandemia foram levantadas, foi a Goa, “a velha Goa que resta dos tempos de Camões”, e à ilha de Moçambique, “onde Camões viveu dois anos, na altura em que queria regressar a Portugal.”

A viagem a Goa revelou-se mais frutífera do que esperava, pois encontrou um grupo de investigadores do Laboratório Hércules, da Universidade de Évora, que lá se encontrava no âmbito de um trabalho de análise de retratos dos diversos vice-reis da Índia, e que a ajudaram numa descoberta que acabara de fazer.

“Descobri o paradeiro de um retrato [de Luis de Camões] revelado em 1972 e que andava extraviado. Graças à minha obstinação, encontrei esse retrato, de que se tinha perdido o paradeiro, num colecionador privado”, contou.

Com a ajuda do grupo Hércules, esse retrato foi analisado, e foi atestada a sua veracidade.

“Época não é apenas um pano de fundo”

Para escrever a biografia de Luís de Camões, a escritora estudou muito bem a época, porque “em biografias históricas, a época não é apenas um pano de fundo, os indivíduos são a sua época. Há conceitos que no século XVI têm sentidos que se foram perdendo ao longo dos séculos.”

Para Isabel Rio Novo, o difícil neste tipo de biografias é reconstituir a época com o máximo rigor possível, mas, por outro lado, o facto de esta biografia ser recente “beneficia de todos os contributos prévios que foram sendo feitos ao longo do tempo.”

Por isso, a obra biográfica que agora vai ser publicada é acompanhada por uma “enorme quantidade de notas de rodapé”, explicou.

A autora promete que “o resultado final vai trazer muitas surpresas”, embora reservando-as para a publicação do livro.

Além disso, dará ao leitor “a perceção de homem que existiu antes de ser um mito” e “dá um avanço decisivo no conhecimento” que se tem hoje em dia.

“As cartas em prosa são um bom exemplo de informação conhecida, mas que, por o seu conteúdo ser avesso ao discurso oficial sobre o poeta, foi quase sempre descurada do ponto de vista biográfico.”

“Descobri o homem que existe por baixo das camadas”

Segundo a investigadora, o retrato que sai desta biografia “não é o que ensinam na escola, a ideia de que grandes escritores nascem quase figuras consagradas.”

“Fui-me divertindo raspando a patine do busto e descobri o homem que existe por baixo dessas camadas de sentido que lhe fomos acrescentando”, disse, afirmando: “Camões foi um indivíduo do seu tempo, genial do ponto de vista do talento e da capacidade de refletir sobre a vicissitude da sua existência, mas enquadrado no seu tempo.”

Sendo um livro que contém essencialmente matéria biográfica – não é o típico volume de “vida e obra de Camões” -, há naturalmente a obra de Camões nesta biografia, porque estão intrinsecamente ligados.

“Muitas circunstâncias de escrita de poemas estão diretamente ligadas ao homem Camões na altura em que estava”, explica, sublinhando contudo que não é camonista, é “devedora de especialistas”.

Ao longo da pesquisa, foram várias as vezes que se surpreendeu, algumas com aspetos da vida do poeta que, não sendo novas, eram para a autora pouco conhecidas, como os primeiros anos de Camões ou a cronologia das duas décadas que passou no Oriente.

A principal dificuldade que sentiu na elaboração desta biografia foi mesmo o trabalho que lhe deu, superado o “choque inicial” de perceber a empreitada em que se tinha metido.

“Não pensei em desistir, mas em muitos momentos senti-me completamente assoberbada. Valeu o biografado, tão interessante que não me consigo cansar dele, embora me canse por causa dele.”

in SIC Notícias

Siga-nos e deixa um:
fb-share-icon0
Tweet 5k
Pin Share20

Compartilhar:

Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Facebook0
Twitter
Visit Us
Follow Me
LINKEDIN
INSTAGRAM
error: Conteúdo protegido