Crise sem precedentes na Escola Francesa de Luanda – Tensão entre direcção e professores
Crise sem precedentes na Escola Francesa de Luanda - Tensão entre direcção e professores
Escola Francesa

As comemorações do Dia da Francofonia ficam manchadas com um clima de tensão entre direcção e professores. Situação já se arrasta há mais de dois anos. Denúncias apontam para esquema de gestão danosa e abuso de poder na instituição de ensino internacional. Clima de intimidação e de opressão contra alunos e professores faz parte das queixas apresentadas.

De acordo com as fontes do NJ, a crise no Liceu Francês Alioune Blondin Beye, em Luanda, instalou-se com a chegada do proviseur Laurent Bengué, actual director-geral da instituição, da sua esposa, Lynda Bengué, ex-proviseur-adjunta, agora professora de francês, e de Carine Dossou-Gbété, directora primária.

O casal Bengué e respectiva direcção são acusados de transformar o liceu em negócio privado, de atropelo à legislação laboral angolana e ao regulamento interno da escola, o que viola, permanentemente, os princípios da República Francesa: “Liberdade, Igualdade, Fraternidade”.

“Há violação permanente da República Francesa e, infelizmente, desde que o casal Bengué chegou a Angola, transformou o liceu num negócio deles, em que o senhor Laurent Bengué é o chefe e a mulher uma espécie de subchefe”, denunciam as fontes, numa alusão de que a promiscuidade e o nepotismo são tão evidentes que a directora da primária trabalha, igualmente, com o marido nesta instituição, mesmo não reunindo os requisitos para o efeito, como, por exemplo, o visto de trabalho.

Neste particular, as fontes relatam a existência de um elevado número de professores sem contrato de trabalho nem vistos.

in Novo Jornal

Siga-nos e deixa um:
fb-share-icon0
Tweet 5k
Pin Share20

Compartilhar:

Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Facebook0
Twitter
Visit Us
Follow Me
LINKEDIN
INSTAGRAM
error: Conteúdo protegido