Dom Kamwenho apresenta sua obra na Huíla
Dom Kamwenho apresenta sua obra na Huíla
Kamwenho

A primeira obra literária do arcebispo emérito da Arquidiocese do Lubango, Dom Zacarias Kamwenho, intitulada “Acreditei, por isso falei: Revistando o prémio Sakharov-2001”, foi apresentada ontem, sexta-feira, 29, no Lubango, à comunidade huilana.

O livro com 94 páginas foi editado e revisado pela Paulinas Editora e tem nesta primeira edição disponíveis 600 exemplares. Para além da Huíla, a obra já foi lançada em Luanda, no princípio do mês em curso e a próxima cidade é o Sumbe.

A obra está dividida em três partes, nomeadamente a introdução, os seis testemunhos ocasionais e a conclusiva, sendo que na primeira é abordado a urgência da revisão da Constituição, a era dos movimentos de libertação nacional e a colaboração de todos na vida pública.

Já na segunda, o autor traz a revisitação do Prémio Sakharov-2001, o contributo das igrejas cristãs no processo da independência de Angola, a paz- tarefa de todos os humanos, o Estado da nação angolana, entre outros e na última parte espelha o que foi dito no parlamento europeu dia 12 de Dezembro de 2001.

Ao falar da obra, o autor referiu que ela representa a necessidade de chamar todos a darem as mãos para chegarem a uma reconciliação mais efectiva, pois foi esse o programa do Prémio Sakharov que recebeu em 2001, num momento que Angola se encontra ainda a gerir a crise pós-eleitoral.

“Como testemunho de uma Angola que vai desde 1961 tenho muita coisa a dizer. Aproveitei dar a voz de depoimentos antigos. Dei o meu contributo para que tudo se faça na tranquilidade e na paz. Que haja cada vez mais sabedoria nos que governam e honestidade de nossa parte, os governados”, realçou.

Manifestou que gostaria que em Angola houvesse, participação de todos e não de alguns na sua construção como nação e devem se engajar na tarefa de ter um país verdadeiramente livre, democrático, bom para os angolanos e seus amigos.

Questionado das motivação que o levaram a publicar só agora um livro, com diversos anos de sacerdócio, o prelado respondeu “não ter jeito de publicar”, mas as circunstâncias o obrigaram pese embora tivesse muitos artigos escritos, pelo que espera colocar no mercado mais duas obras, um sobre a liturgia e um outro sobre lembranças.

Zacarias Kamwenho, de 89 anos, é natural do Huambo e foi ordenado presbítero em Julho de 1961. Desempenhou a função de vice-reitor do Seminário Maior de Cristo Rei, na mesma província onde nasceu, reitor da mesma instituição religiosa, acumulando também a de vigário-geral da Diocese.

Foi bispo auxiliar de Luanda, tomou posse da Diocese de Novo Redondo, no Sumbe. Assistiu a entrada dos movimentos de libertação e os confrontos entre os três.

Em 1995 foi transferido para a Arquidiocese do Lubango, recebeu em Outubro de 2001 o Prémio Sakharov. Foi presidente da Conferência Episcopal de Angola e São Tomé (CEAST) e do Comité Inter-eclesial da Paz em Angola (COIEPA).

Atingiu a idade de reforma em 2009 (75 anos de idade) e entregou o pastoreio da arquidiocese a Dom Gabriel Mbilingi, actual arcebispo metropolita do Lubango.

Siga-nos e deixa um:
fb-share-icon0
Tweet 5k
Pin Share20

Compartilhar:

Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Facebook0
Twitter
Visit Us
Follow Me
LINKEDIN
INSTAGRAM
error: Conteúdo protegido