Gana aprova lei que penaliza práticas homossexuais com penas de prisão
Gana aprova lei que penaliza práticas homossexuais com penas de prisão
gays

No Gana, um país altamente religioso e de maioria cristã, as pessoas queer (cuja orientação sexual ou identidade de género não se enquadra nos modelos dominantes) são regularmente alvo de discriminação.

Os deputados do Gana aprovaram ontem, quarta-feira, 28, a “Lei dos Direitos Sexuais e dos Valores Familiares do Gana”, que penaliza as práticas homossexuais, provocando fortes receios na comunidade LGBTQIA+.

O texto, originário de uma coligação de cristãos, muçulmanos e chefes tradicionais, com forte apoio dos deputados, vulgarmente conhecido por projeto de lei “anti-gay”, não foi ainda assinado pelo Presidente Nana Akufo-Addo, cujo mandato termina em Dezembro.

A comunidade internacional já reagiu e os defensores dos direitos LGBTQIA+ (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais, Queer, Intersexuais, Assexuais) já se manifestaram contra.
De acordo com as disposições do projeto de lei, as pessoas envolvidas em atividades homossexuais estão sujeitas a penas de prisão entre seis meses e três anos. Além disso, aqueles que defendem os direitos das pessoas LGBTQIA+ poderão ser sujeitos a penas mais severas, com possíveis sentenças de prisão entre três e cinco anos.

O projecto de lei tinha sido apresentado no parlamento em 2021, mas a sua votação foi sempre adiada.

No Gana, um país altamente religioso e de maioria cristã, as relações entre pessoas do mesmo sexo são proibidas, mas não se registaram casos de acusação ao abrigo da lei, que remonta à era colonial.

No entanto, as pessoas queer (cuja orientação sexual ou identidade de género não se enquadra nos modelos dominantes) são regularmente alvo de discriminação.

in SIC Notícias

Siga-nos e deixa um:
fb-share-icon0
Tweet 5k
Pin Share20

Compartilhar:

Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Facebook0
Twitter
Visit Us
Follow Me
LINKEDIN
INSTAGRAM
error: Conteúdo protegido