Golpe de Estado falhado na RDC – Sousa Jamba
Golpe de Estado falhado na RDC - Sousa Jamba
golpe em africa

O golpe de Estado falhado na República Democrática do Congo (RDC) permanece envolto em mistério, mas a natureza megalómana do seu líder, Christian Malanga, é evidente. Embora a ambição política seja comum, a busca de poder por Malanga sugere um perigoso desejo de ditadura.

Na diáspora africana, a busca por influência política frequentemente envolve autopromoção online. Malanga alinha-se estrategicamente com figuras influentes para projectar poder, contrastando com figuras como Moise Katumbi, que priorizam o bem-estar da comunidade.

Os negócios questionáveis de Malanga sugerem uma busca incessante por poder entrelaçada com ganhos financeiros. Se o golpe tivesse sido bem-sucedido, a sua audácia poderia ter sido admirada, mas a sua agenda parece centrar-se apenas na ambição pessoal.

Apesar de reivindicar experiência como piloto e presidente, o passado de Malanga é duvidoso. O seu padrão de projectos inacabados indica um foco em autopromoção em vez de liderança. A sua obsessão com o título de Presidente, apesar da falta de legitimidade, aponta para um delírio. Isto, juntamente com um fascínio por armas de fogo e aparente instabilidade, pinta um quadro preocupante de um homem movido por uma sede insaciável de poder.

A vida de Malanga, amplamente documentada em vídeos, exemplifica a presença da mídia na era digital. Um vídeo de há uma década mostra-o a hospedar um membro da diáspora congolesa que se apresenta como jornalista, oferecendo serviços de relações públicas pagos disfarçados de jornalismo.

O objectivo do jornalista é impressionar os espectadores com a riqueza de Malanga, criando uma imagem aspiracional. No entanto, esta narrativa simplifica em demasia as complexidades da vida.

A vida pessoal tumultuosa de Malanga, incluindo vários filhos com diferentes parceiras, adiciona outra camada à sua personalidade. O envolvimento do seu filho no golpe e a subsequente detenção destacam o impacto intergeracional das suas acções.

A trajectória de Malanga espelha a de ditadores do passado, levantando preocupações sobre o seu potencial para explorar os militares para dominar. A sua história é um conto preventivo sobre a ambição desenfreada e a priorização do ganho pessoal em detrimento do bem-estar nacional.

Na diáspora congolesa na Europa, muitos destacam-se em áreas como a academia e os negócios, enquanto outros, muitas vezes pequenos empresários dependentes da Segurança Social, são politicamente activos devido a um sentimento de desenraizamento. Buscam reconhecimento através de vestuário, partidos políticos e líderes religiosos carismáticos, misturando política e religião.

Malanga explorou esta dinâmica, usando os seus recursos para obter apoio destas comunidades. Doou para igrejas em troca das suas bênçãos, permitindo-lhe posicionar-se como líder político ou figura alternativa.

A força de um país é determinada pela interacção entre a sua diáspora, forças locais, instituições, relações internacionais e partes interessadas. Quando as pessoas pensam na República Democrática do Congo, muitas vezes concentram-se na sua riqueza, que levou ao caso escandaloso de um bilionário israelita a lucrar com a exploração das suas minas. No entanto, a verdadeira riqueza do povo congolês reside na sua resiliência e exigência de uma governação cautelosa.

O Congo precisa de instituições que salvaguardem a prosperidade, não de homens fortes ou sistemas autoritários centralizados, que estão condenados ao fracasso devido aos complexos interesses do país. Um líder preocupado em manter o poder perderá oportunidades cruciais. Em vez disso, o Congo requer uma liderança que fomente iniciativas locais, mantendo uma estrutura estatal coesa.

O processo democrático no Congo deve demonstrar o seu valor ao abraçar um jogo democrático legítimo. Ignorar ou reprimir a oposição apenas alimenta a violência. Um sistema de oposição robusto, levado a sério pelo Governo, canalizará as ambições políticas para processos democráticos em vez de golpes violentos.

Enquanto isso, na diáspora congolesa, Christian Malanga está a ser retratado como uma espécie de herói, o que é muito preocupante. Os membros da diáspora frequentemente afirmam que foram expostos a valores e sistemas democráticos e esperam incorporá-los em casa.

Numa democracia, não se pode simplesmente reunir um grupo de pessoas, invadir instituições de poder e assumir o controlo. Isto é inaceitável num sistema democrático. O poder deve ser alcançado através das urnas, mesmo que os processos tenham deficiências e falhas.

As democracias não são perfeitas, mas evoluem através de discussões e erros, construindo gradualmente sistemas sólidos e eficazes que refletem as aspirações de todos. Há uma diferença significativa entre ser visto como uma figura messiânica, com a sua família e apoiantes a acreditarem que está destinado a ser presidente, e apresentar-se ao eleitorado para o seu julgamento.

Se as pessoas acharem que é capaz, irão elegê-lo. Esta é uma lição crucial para toda a diáspora africana, não apenas para a comunidade congolesa.

*Jornalista escritor

Siga-nos

Compartilhar:

Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Twitter
Visit Us
Follow Me
LINKEDIN
INSTAGRAM
error: Conteúdo protegido