Huíla: Cidadão viola e mata enteada em Caconda
Huíla: Cidadão viola e mata enteada em Caconda
acidente12

Eduardo António Tchimuco, de 43 anos, foi detido na última sexta-feira pela Polícia Nacional no município de Caconda, a 236 quilómetros a norte da cidade do Lubango, capital da província da Huíla, por ter abusado sexualmente e matar a sua enteada.

O facto ocorreu na noite do passado dia 29 do mês de Fevereiro, quando a vítima, de 20 anos, saia da sua residência na localidade do Cusse, que dista a 50 quilómetros do município de Caconda, para a casa de um dos parentes.

De acordo com o porta-voz do Comando Municipal da Polícia Nacional em Caconda, sub-inspector Manuel Ernesto, no percurso, o padrasto surpreendeu a sua enteada, tendo de seguida arrastando-a para um lugar onde praticou toda a acção.

“O Comando Municipal de Caconda tomou conhecimento de um caso de violação sexual com penetração, concorrido com homicídio por asfixia, onde foi vítima uma cidadã de 20 anos, por sinal enteada do acusado”, disse.

Por outro lado, o porta-voz do Comando Municipal da Polícia Nacional em Caconda informou que as forças policiais tiveram conhecimento do sucedido mediante uma denúncia pública, o que permitiu a sua detenção na manhã seguinte ao dia dos factos.

“Depois de ter cometido o crime que vitimou mortalmente a enteada, o cidadão abandonou o cadáver no local, tendo dirigindo-se para a sua residência como se nada tivesse acontecido. Entretanto, fruto de uma denúncia pública, este cidadão foi detido para posteriormente ser encaminhado a um juiz de garantias”, explicou.

Acusado admite ter asfixiado enteada

Eduardo António Tchimuco confessou ter morto a sua enteada por asfixia na localidade do Cusse, município de Caconda.

Questionado sobre as razões que o levaram a cometer o crime, respondeu que estava fora de si quando tudo ocorreu, até na manhã seguinte.

O acusado que só se comunica na língua local Umbundo, nega o crime de abuso sexual contra a sua enteada, no entanto admitir ter retirado as vestes da vítima, como forma de castigo.

“Eu matei a minha filha e não sei como aconteceu. A minha filha não me obedecia. Sempre que lhe mandasse alguma coisa, não cumpria. Eu não abusei sexualmente a minha filha, eu retirei-lhe as roupas sim, porque fui eu quem comprou as mesmas, por isso retirei dela”, assumiu.

O sub-inspector Manuel Ernesto informou que a nível do município de Caconda a situação da criminalidade está controlada, sobretudo nos casos de roubo e furto de gado bovino e caprino.

Ainda assim, revelou a nossa fonte, as autoridades policiais naquele município da província da Huíla estão preocupadas com a existência de casos de roubo e furto de motorizadas, com recurso a armas de fogo e brancas.

in OPaís

Siga-nos e deixa um:
fb-share-icon0
Tweet 5k
Pin Share20

Compartilhar:

Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Facebook0
Twitter
Visit Us
Follow Me
LINKEDIN
INSTAGRAM
error: Conteúdo protegido