Interferências e sabotagens: Um retrato da crise no SINPROF/Huambo – Poeta UKwanana
Interferências e sabotagens: Um retrato da crise no SINPROF/Huambo - Poeta UKwanana
sinprof huambo

As eleições para secretário municipal do Sindicato Nacional dos Professores (SINPROF) no Huambo, que deveriam ter sido uma celebração da democracia sindical, foram manchadas por interferências e sabotagens graves.

O que deveria ter sido uma escolha transparente e justa entre Bento Valdemar, candidato à reeleição pela lista A, e Hilário António Sambandua, da lista B, transformou-se num cenário de caos e acusações de má conduta.

ESCÂNDALOS E DESESPERO PELO PODER

O candidato cessante, Bento Valdemar, demonstrou uma ânsia desesperada para se manter no cargo, mesmo estando envolvido em vários escândalos. As acusações contra ele são sérias e variadas, desde a não prestação de contas até à abertura de contas bancárias sem autorização do Secretário Provincial.

O escândalo mais grave, no entanto, envolve uma acusação de tentativa de violação de uma menina na Centralidade da Caála, um caso que permanece sem desfecho. Estes factos, por si só, já colocam em causa a integridade do candidato e a sua capacidade de liderar com ética.

IRREGULARIDADES NO PROCESSO ELEITORAL

A situação foi exacerbada quando Bento Valdemar apresentou uma lista adulterada de eleitores apenas dez minutos antes do prazo final. A lista continha nomes de indivíduos sem efetividade no município do Huambo, como Firmino Tenente, cuja efetividade é na comuna do Cuima, município da Caála.

Além disso, professores que deveriam estar aptos a votar foram excluídos da lista inicial, o que gerou revolta e desconfiança entre os eleitores presentes.

A comissão eleitoral, por sua vez, foi amplamente criticada pela sua condução do processo. A presença de apenas 19 eleitores na sala, quando eram esperados mais de 80, levantou suspeitas de manipulação e tentativa de inviabilização do processo eleitoral. O pronunciamento do Dr. Américo Bilami, sugerindo a anulação da eleição devido à baixa participação, apenas agudizou o alvoroço.

DISCURSO DE ABERTURA E REACÇÃO DOS ELEITORES

O discurso inicial de Bento Valdemar foi marcado por críticas duras ao secretário provincial do SINPROF, Abel Maravilhoso. Este ataque foi amplamente reprovado pelos professores presentes, que defenderam Maravilhoso como um líder exemplar e dialogante.

Esse comportamento agressivo de Valdemar apenas reforçou a percepção de que ele estava mais interessado em atacar adversários e justificar o seu próprio fracasso do que em apresentar propostas construtivas para o sindicato.

PREFERÊNCIA PELA LISTA B E ESPERANÇA DE MUDANÇA

Em contraste, a lista B, liderada por Hilário António Sambandua, ganhou a confiança de muitos eleitores. Composta por sindicalistas corajosos e activistas, a lista B foi vista como a esperança de uma liderança transparente e combativa, capaz de defender os interesses dos professores com integridade e coragem.

REFLEXÃO E EXPECTATIVAS

O episódio das eleições do SINPROF-Huambo deixa um registo negativo e preocupante. A interferência e sabotagem durante o processo eleitoral não apenas desrespeitam os eleitores, mas também minam a confiança na instituição sindical.

A sociedade civil, activistas e defensores dos direitos humanos presentes no evento testemunharam um comportamento reprovável da comissão eleitoral, o que deve ser motivo de reflexão e acção.

Espera-se que o SINPROF se pronuncie e tome medidas para resolver este impasse, garantindo que futuras eleições sejam conduzidas de maneira justa e transparente. Só assim será possível restaurar a confiança dos professores e assegurar que a liderança sindical trabalhe verdadeiramente em prol dos seus direitos e interesses.

*Defensor dos Direitos Humanos

Siga-nos
Twitter
Visit Us
Follow Me
LINKEDIN
INSTAGRAM

Compartilhar:

Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
error: Conteúdo protegido