“No tempo de José Eduardo dos Santos ninguém era preso por ultraje ao PR” – Tchizé
"No tempo de José Eduardo dos Santos ninguém era preso por ultraje ao PR" - Tchizé
Jes e fm

Tchizé dos Santos, uma das filhas mais destacadas do ex-chefe de Estado, José Eduardo dos Santos, refutou esta semana, nas redes sociais, a ideia de que seu falecido pai mandava prender activistas sob pretexto de terem o ofendido ou ultrajado.

Em um diálogo com os internautas, a ex-deputada do MPLA enfatizou que “JES não dava importância a ofensas”, destacando a sua atitude de pessoa tolerante. Tchizé lembrou que jornais privados frequentemente usavam termos pejorativos para se referirem a ele, como “ladrão” e “assassino”, e que essas palavras também eram usadas para se referir aos filhos do antigo PR.

De acordo com Tchizé dos Santos, ninguém em Angola foi preso por ultrajar o falecido Presidente, que, segundo as suas declarações, não se importava com as redes sociais.

A posição de Tchizé dos Santos é vista como uma analogia ao governo de João Lourenço, que tem sido marcado pela prisão frequente de ativistas condenados e detidos sob acusações de difamação e insulto à imagem do Presidente atual.

Alguns internautas discordam dessa analogia, lembrando condenações de natureza política, como a do ativista Rafael Marques de Morais e dos “15 + 2”, estes últimos acusados de tentativa de golpe de Estado pelo ex-Procurador-Geral da República, João Maria de Sousa.

Vale ressaltar que Marques de Morais foi processado por JES em 2000 após a publicação do artigo “O batom da ditadura”, em que o responsabilizou pelo “colapso das instituições do Estado”, acusando-o de promover a incompetência, o peculato e a corrupção “como valores sociais e políticos”. Por essas acusações, Rafael Marques foi condenado a seis meses de prisão.

O processo contra Rafael Marques de Morais gerou críticas internacionais e prejudicou a reputação do Presidente José Eduardo dos Santos. O caso foi visto como uma tentativa de silenciar a imprensa independente e limitar a liberdade de expressão em Angola. Depois deste caso José Eduardo dos Santos apelou aos seus colaboradores para que não usassem mais o seu nome para abertura de processos contra opositores acusados de ultraje a sua imagem.

in Club-K

Siga-nos e deixa um:
fb-share-icon0
Tweet 5k
Pin Share20

Compartilhar:

Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Facebook0
Twitter
Visit Us
Follow Me
LINKEDIN
INSTAGRAM
error: Conteúdo protegido