Portadoras de HIV/Sida suspendem tratamento por falta de alimentos
Portadoras de HIV/Sida suspendem tratamento por falta de alimentos
Sida

Um grupo composto por mais de 10 mulheres, ambas residentes no bairro das Bananeiras, Distrito Urbano do Kalawenda, município de Cazenga, viram-se obrigadas a parar de tomar anti-retrovirais, por falta de alimentação.

As mesmas dizem que não conseguem fazer negócio, porque ninguém compra os seus produtos desde que, os habitantes daquela área, tomaram conhecimento sobre as suas condições serológicas.

A vida destas mulheres não têm sido fácil, porque sentem na pele o vírus da discriminação, que têm lhes causados transtornos no seu dia-a-dia.

Vanessa Francisco, de 48 anos, foi detectada com esse problema há 14 anos, depois da descoberta, ela decidiu abrir-se com a mãe, que apercebendo-se da situação, espalhou a informação e desprezou-a. Vanessa assumiu que foi prostituta e, nessa vida, contraiu o vírus.

“Desde o mês de Novembro que não tomo os anti-retrovirais, porque os medicamentos causam muita fraqueza”, justificou, referindo que tem vontade de tomá-los para que possa viver mais tempo, mas não consegue por falta de comida.

“Tentei vender carvão, mas os clientes não aparecem porque dizem ser carvão de uma “sidosa”, situação que a constrange ainda mais.

Marisa, uma amiga de longa data, também usava os medicamentos e as melhorias eram assinaláveis, mas a falta de alimentos fê-la recuar. “E, como resultado, conheceu a morte”, contou a amiga, com lágrimas nos olhos.

O caso mais recente foi da senhora Lembinha: primeiro morreu a bebé de três meses, depois ela e a seguir o marido de nome Adilson.

Joana Soca Mainguila, de 60 anos, não vê os netos há mais de um ano, tudo porque a nora decidiu abandoná-la por ser portadora de HIV. O que a consola é o facto de o filho ter optado em ficar com ela.

Se um lado, o filho a acalenta, do outro lado está a falta de comida e a discriminação que não tem limites. “Não conseguimos fazer negócio nenhum, pois ninguém compra os nossos produtos, por termos Sida”, queixou-se.

in Na Mira do Crime

Siga-nos e deixa um:
fb-share-icon0
Tweet 5k
Pin Share20

Compartilhar:

Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Facebook0
Twitter
Visit Us
Follow Me
LINKEDIN
INSTAGRAM
error: Conteúdo protegido