Presença das empresas do MPLA nas telecomunicações afugenta investidor no sector
Presença das empresas do MPLA nas telecomunicações afugenta investidor no sector
telecomunicacao

A Autoridade Reguladora da Concorrência (ARC) de Angola considera que há presença “excessiva” do Estado no sector das telecomunicações, uma “realidade desfavorável” à promoção da liberalização do mercado e que desincentiva o investimento no sector.

Num estudo realizado sobre a concorrência no sector em Angola, a ARC constatou várias preocupações concorrenciais, nomeadamente de natureza estrutural e legal.

Entre as “preocupações” de natureza estrutural, aponta o elevado grau de participação direita do Estado, elevado nível de integração vertical e horizontal no mercado, barreiras relativas à implementação do Regulamento de Partilha de Infraestruturas de Comunicações Electrónicas, alto nível de concentração no mercado e acordos de exclusividade e venda em pacotes no segmento de TV por subscrição.

Quanto às “preocupações” concorrenciais de natureza legal destacam-se o modelo de gestão dos recursos humanos, dependência do regulador à superintendência, barreiras relativas à implementação de iniciativas regulatórias, existência de limites legais no segmento TV e risco de conflitos de competências entre o INACOM – Instituto Nacional das Comunicações – e a ARC.

No estudo, que compreende o período entre 2014 e 2021, a ARC realça que apesar da presença de diversos operadores no mercado de telecomunicações, “é notável a participação activa do Estado”, tanto por via de empresas públicas que integram a estrutura accionista de outras empresas do sector, como é o caso da Unitel e da Movicel.

O Estado é accionista da Movicel e da Unitel por via da detenção de participações sociais de 25% do capital titulado pelo Instituto Nacional de Segurança Social (INSS) e das participações sociais de 50% detidas pela Sonangol, recorda.

A Autoridade Reguladora da Concorrência assinala também a posição de destaque da MS Telcom e da Angola Telecom (empresas públicas) nos segmentos de telefonia fixa e de internet fixa na estrutura accionista da Unitel e da Movicel, respectivamente,

O facto das referidas empresas serem detentoras de infraestruturas, incluindo o Last Mile (última parte do transporte de um produto) e, por outro lado, o facto de a concorrência no mercado de telefonia móvel e fixa ocorrer essencialmente entre empresas cuja participação social é detida maioritariamente pelo Estado são realçadas como factores que “beliscam” a concorrência.

“Este cenário é desfavorável à liberalização do sector, na medida em que diminui o incentivo das empresas privadas em acederem ao mercado, pelo facto de terem como concorrentes operadoras detidas pelo Estado”, observa a ARC.

O actual cenário pode provocar efeitos negativos sobre a concorrência, “tendo em conta que é um segmento de atividade económica de capital intensivo, pelo que as empresas detidas pelo Estado estarão sempre em posição de vantagem, sobretudo no âmbito de processos de recapitalização”.

Além disso, a intervenção do Estado no mercado de telecomunicações, através de empresas públicas e da estrutura accionista de empresas com capital misto, “que, por sinal, dominam o mercado, tem potencial para distorcer a concorrência”, alerta a entidade reguladora, considerando que isso pode colocar “as operadoras privadas em desigualdade”.

O Departamento de Controlo dos Auxílios Públicos, órgão da ARC que elaborou o estudo, assinala igualmente que a presença excessiva do Estado no sector das telecomunicações inibe a sua liberalização e contraria aos princípios que nortearam a criação do Programa de Privatizações (ProPriv) do Governo angolano.

Por esta razão, argumenta, “é necessário assegurar a redução da participação directa do Estado no mercado, especialmente o das telecomunicações, enquanto objectivo norteador do ProPriv, tendo como propósito limitar o surgimento de monopólios, garantir a liberalização do mercado e, consequentemente, aumentar a competitividade entre as empresas”.

A “presença excessiva” do Estado no mercado “constitui uma realidade desfavorável à promoção da liberalização do mercado, desincentiva o investimento no sector”, sustenta.

“Sobretudo, pelo facto de tais empresas terem como concorrente o próprio Estado, que actua em situação de conflito de interesses, sendo simultaneamente operador de mercado e regulador”, indica.

A ARC recomenda ainda ao Ministério das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação, que tutela o sector, e ao INACOM, enquanto regulador, assegurarem a redução da participação directa do Estado nas telecomunicações, por intermédio da saída do capital accionista das empresas públicas de telefonia móvel, “de modo a contribuir para o aumento da competitividade entre as operadoras, bem como o fomento da cultura de sã concorrência”.

Aos referidos órgãos é também apontada a necessidade de garantirem que as empresas públicas deixem de integrar a estrutura accionista dos operadores que actuam nas diferentes fases da cadeia de valor do mercado, como forma de melhorar o funcionamento do sector e promover o incentivo à entrada de novos operadores privados.

in Lusa

Siga-nos e deixa um:
fb-share-icon0
Tweet 5k
Pin Share20

Compartilhar:

Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Facebook0
Twitter
Visit Us
Follow Me
LINKEDIN
INSTAGRAM
error: Conteúdo protegido