Quase metade das pessoas de ascendência africana na UE enfrenta racismo
Quase metade das pessoas de ascendência africana na UE enfrenta racismo
racismo

Quase metade das pessoas de ascendência africana na União Europeia (UE) enfrentam racismo, discriminação e crimes de ódio na sua vida quotidiana, denuncia a Agência para os Direitos Fundamentais (FRA), num relatório divulgado esta quarta-feira, 25.

Segundo a análise da agência da UE, 45% das pessoas de ascendência africana que vivem no espaço comunitário dizem ter sido vítimas de discriminação racial nos últimos cinco anos, o que representa um aumento em relação ao último relatório feito pela agência, em 2016, quando a percentagem era de 39%.

Os países onde as pessoas mais sentem discriminação social são a Alemanha e a Áustria, nos quais o número de inquiridos que admitiu ser alvo de comportamentos racistas ultrapassa os 70%.

No entanto, alerta a FRA, a discriminação “permanece invisível”, uma vez que apenas 9% a denunciam.

De acordo com os mesmos dados, as mulheres jovens, as pessoas com educação superior e as que usam vestuário religioso são as mais suscetíveis a serem vítimas de discriminação racial, que as afeta sobretudo quando procuram trabalho ou alojamento.

Entre os inquiridos, cerca de um terço (34%) disse ter sido alvo de discriminação racial ao procurar emprego e 31% afirmam ter sido discriminados no próprio local de trabalho.

Além disso, em comparação com a população em geral, “é mais provável que tenham apenas contratos temporários e que sejam demasiado qualificados” para o trabalho que executam, adianta o relatório.

Mais recentemente, o aumento da inflação e do custo de vida colocou mais pessoas de ascendência africana em maior risco de pobreza, em comparação com a população em geral.

“Cerca de 33% enfrentam dificuldades para fazer face às despesas quotidianas e 14% não têm dinheiro para aquecer as suas casas, em comparação com 18% e 7% da população em geral”, refere a FRA, acrescentando que, para os cidadãos da UE de ascendência africana, encontrar um local para viver é mais difícil do que para a população em geral.

Ao tentar encontrar alojamento, destaca ainda a FRA, “31% dos inquiridos afirmaram ter sido vítimas de discriminação racial”, uma tendência em crescimento desde 2016.

“É chocante constatar que não houve melhorias desde o nosso último inquérito, em 2016. Pelo contrário, as pessoas de ascendência africana enfrentam cada vez mais discriminação apenas por causa da cor da pele”, lamenta o diretor da FRA, Michael O’Flaherty, citado no relatório.

“O racismo e a discriminação não devem ter lugar nas nossas sociedades. A UE e os seus Estados-membros devem utilizar estas conclusões para direcionar melhor os seus esforços e garantir que também as pessoas de ascendência africana possam usufruir dos seus direitos livremente, sem racismo ou discriminação”, conclui o responsável.

O documento da FRA analisou as respostas de mais de 6.700 pessoas de ascendência africana que vivem em 13 países da UE: Alemanha, Áustria, Bélgica, Dinamarca, Espanha, Finlândia, França, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Polónia, Portugal e Suécia.

in Lusa

Siga-nos e deixa um:
fb-share-icon0
Tweet 5k
Pin Share20

Compartilhar:

Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Facebook0
Twitter
Visit Us
Follow Me
LINKEDIN
INSTAGRAM
error: Conteúdo protegido