Sobre Justino Handanga – Sousa Jamba
Sobre Justino Handanga - Sousa Jamba
handanga

Durante o meu tempo no Huambo, tive inúmeros encontros com Justino Handanga, o cantor que faleceu na semana passada. O nosso amigo em comum, Segunda Amões, estava sempre entusiasmado em conectar indivíduos criativos. Conhecendo a minha admiração pela música de Handanga, Segunda apresentou-me a ele.

Justino Handanga era um homem profundamente sério e a sua música estava impregnada de tristeza e um sentido perpéctuo de lamento. Esta qualidade ressoava com as pessoas do Planalto Central de Angola, que tinham afinidades por canções melancólicas. Handanga era um mestre na interpretação deste estilo.

Numa das suas canções mais famosas, Handanga conta a história de um personagem que perdeu as pernas e está confinado a uma vida de observação impotente. O personagem lamenta que ninguém reconhece a sua existência e perda da sua casa, que lhe foi tirada após a chegada da paz. O personagem também anseia por filhos, mas reconhece a crueldade de trazê-los para um mundo de incertezas e de conflitos.

Esta canção ressoou, profundamente, com um público pós-guerra que se sentia esquecido e negligenciado. A sua popularidade decorria da experiência partilhada de se sentir invisível e de lutar para ser visto. A canção questionava audaciosamente a disparidade entre entidades ricas e o sofrimento generalizado dos outros.

A canção capturava o desencanto daqueles que tinham esperado por melhores dias após a guerra, apenas para encontrar o progresso frustrantemente elusivo.

Noutra canção icónica, Handanga descreve o reencontro com uma rapariga do seu passado que envelheceu. Isto serve como um lembrete tocante da passagem do tempo e da impermanência do nosso mundo. Ele usa detalhes vividos, como variedades específicas de bananas e danças tradicionais, para evocar uma nostalgia por uma vida comunitária mais simples.

Handanga, frequentemente, contrastava a alegria de ir à igreja seguida de uma dança de aldeia com a suspeita e desconfiança que também podiam existir nestas comunidades. A sua música pintava um retrato de um passado unido, repleto de refeições deliciosas e um ambiente acolhedor.

Para muitos ouvintes, especialmente aqueles que viviam vidas fragmentadas em ambientes urbanos desprovidos de privacidade, as suas canções ofereciam uma ligação a um passado idílico. Alguns até sentiam que ouvir Handanga era uma forma de, simplesmente,recriar essas experiências queridas.

Enquanto a sua música certamente evocava um sentimento de nostalgia, Handanga não era excessivamente analítico nas nossas conversas. Ele era frequentemente sombrio, mas a sua paixão e dom para contar histórias brilhavam inesperadamente. Isto é o que realmente o tornava um artista tão excepcional.

Numa das suas canções, Handanga conta a história de um enteado chamado Abílio. Esta retrata uma relação infeliz entre o enteado e o marido da sua mãe, que o criou. Abílio torna-se exigente e desrespeitoso dentro da casa, ameaçando até o homem que não é o seu pai biológico.

Esta canção mistura português e umbundu, com o narrador a expressar a sua raiva e frustração através das letras. Ele reconhece que deve ter cuidado para não ultrapassar a linha vermelha com as suas palavras.

Esta canção reflecte uma experiência comum num mundo marcado pelo deslocamento e famílias recompostas. A relação padrasto-enteado carrega um peso significativo quando os sistemas de apoio tradicionais estão ausentes. Lembro-me de ouvir esta canção por todo o lado nos mercados do Huambo, com as pessoas a cantarolar juntas e a ligar-se claramente com a sua mensagem.

Apesar da falta de uma instrumentação vistosa, o poder da canção reside no génio lírico de Handanga e na sua capacidade de celebrar a língua umbundu e a sua herança cultural.

Outra grande canção de Handanga é sobre a experiência agridoce de dar as boas-vindas a um ente querido de volta a casa, tingida com a dor das novas dificuldades que encontraram. Esta balada melancólica lamenta as reviravoltas cruéis do destino e os traumas trazidos pela guerra. O cantor era tanto um cronista destas lutas de guerra como um homem cheio de um profundo sentido de nostalgia.

Durante este período, muitas vezes sentia-me desconfortável com organizadores que queriam apresentar a música de Handanga ao lado de estilos mais populares. A sua música era profundamente reflexiva e parecia fora de lugar junto das músicas de dança mais animadas.

Um dia, enquanto viajava pelo Sul de África, encontrei muitas pessoas fascinadas pela música de Handanga. Mesmo que não fossem angolanos, a música ligava-os ao Planalto Central de Angola e à cultura angolana, através da língua umbundu. Esta experiência levou-me a sugerir a Handanga que considerasse actuar na Zâmbia.

Surpreendentemente, Handanga não estava particularmente entusiasmado com a sua popularidade na Zâmbia ou de ser reproduzido em vários espaços públicos. Confidenciou-me o seu desejo por uma carreira mais tranquila. Contrapus com a ideia de uma equipa de gestão, incluindo uma gestora de marketing e um director artístico, que pudesse identificar locais apropriados para a sua música introspectiva.

Unir Handanga a cantores populares era um desajuste. Mesmo quando cantava músicas pop, havia uma desconexão – a sua música exigia uma experiência auditiva mais atenta, não o ambiente agitado das discotecas-. Teatros, igrejas ou locais semelhantes teriam sido mais adequados para ele.

Talvez Handanga não gostasse de viajar. Talvez encontrasse alegria no simples acto de conduzir entre o Huambo e as localidades vizinhas. Talvez a fama tivesse pouco apelo para ele. A sua verdadeira paixão residia em conectar-se com as pessoas, desejo que o marcava como poeta e sonhador.

Muitas vezes o via perdido em reflexão profunda, por vezes sozinho, simplesmente a observar o mundo à sua volta. Esta natureza contemplativa alimentou a criação de algumas das obras mais belas na língua umbundu. Nas suas letras, vejo o potencial para serem estudadas como uma forma de literatura. Justino Handanga era, sem dúvida, um homem excepcional.

*Jornalista e escritor

Siga-nos e deixa um:
fb-share-icon0
Tweet 5k
Pin Share20

Compartilhar:

Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Facebook0
Twitter
Visit Us
Follow Me
LINKEDIN
INSTAGRAM
error: Conteúdo protegido