Viva o Carnaval da vitória e da angolanidade – Filipe Cahungo
Viva o Carnaval da vitória e da angolanidade – Filipe Cahungo
Filipe

A prática do carnaval, apesar de ser uma celebração associada à cultura europeia, os bantu de Angola praticam-na à sua maneira. Trata-se de um período para celebrar a cultura. O carnaval, como matéria, herdamo-la da experiência colonial, mas na sua forma ou no conteúdo é celebrada à maneira angolana, ou à forma mwangolé, a nossa genialidade reside no facto de introduzirmos os nossos valores culturais nessa prática.

Assim, nós dançamos a kabetula, a rebita e a kazukuta; só para citar algumas danças. A partir de alegorias, representamos a vivência quotidiana.

Agostinho Neto, ao instituir a instituição do carnaval, convidou-nos a irmos às ruas para dançarmos o carnaval, queremos crer que a intenção de Neto fosse que celebrássemos as nossas culturas através da materialização dos nossos valores imateriais.

Mas os dias de hoje constituem desafios para nós, porque a cultura da banalidade, do Facebook, do WhatsApp e do sedentarismo fazem parte das nossas vidas, por esta razão torna-se pertinente indagamo-nos: o que significa celebrar o carnaval nos nossos dias?

Vamos às ruas para dançarmos o carnaval da vitória, mas também para dançarmos as nossas malambas e as nossas alegrias, pois dançaremos o carnaval com todo o nosso ser e a presença dos nossos ancestrais.

Neste carnaval somos convidados a celebrarmos as nossas culturas, porque são as nossas culturas são elementos que nos diferenciam com os outros povos, é também momento oportuno para repensarmos a nossa angolanidade; não que sejamos apaixonados pelo passado, nem tão pouco pelo presente, queremos que seja um passado presente nosso hoje para nos ajudar a construir um futuro completo.

Assim, o nosso carnaval é essa simbiose entre o ontem e o hoje e, por isso, era bom que não nós confinássemos só nessas duas categorias do tempo, nos abrindo também para o futuro.

Sentimos saudades de ouvir a nossa kusungila retratando a nossa kianda e dos sons produzidos pela dikanza ou o reco-reco, agora tudo mudou como canta o então falecido “Man Borrô”.

Esperemos que esta mudança não seja tão profunda ao ponto de não sabermos mais quem somos, festejemos só o carnaval porque nada está perdido, pois a cultura jamais será esquecida e jamais será tão nova pelo facto dela ser esse jogo de cintura entre o estável e o dinâmico.

É carnaval, venha e fantasiemos os nossos sofrimentos para buscarmos e fazermos nascer das cinzas, o que nos torna mais humanos e mais angolanos. Deixemos de lado as nossas diferenças.

Na verdade, não é sobre se você é cristão, muçulmano, pan-africanista, ateu, agnóstico, é sobre a nossa angolanidade que estamos a ser chamados a celebrar nesse carnaval; por isso enchamos as ruas para celebrar os nossos antepassados.

Chame o teu vizinho para celebrar a nossa cultura e a nossa vitória e que vença o melhor. Que seja um carnaval onde o folclore e o moderno possam coabitar para aproveitarmos o melhor que cada um possa nos fornecer.

É bonito ver nas nossas marginais aquele colorido, as alegorias das nossas circunstâncias através das lamentações, das canções nostálgicas incorporadas no feminino e as animações dos nossos blocos.

Viva o carnaval da vitória, e viva o carnaval da nossa angolanidade.

*Filosofo e professor

Siga-nos e deixa um:
fb-share-icon0
Tweet 5k
Pin Share20

Compartilhar:

Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Facebook0
Twitter
Visit Us
Follow Me
LINKEDIN
INSTAGRAM
error: Conteúdo protegido