Moxico: Estudos de prospecção de cobre no Alto Zambeze apresentam bons indicadores
Moxico: Estudos de prospecção de cobre no Alto Zambeze apresentam bons indicadores
Marina Tchicanha

A empresa britânica AngloAmerican, que pretende explorar cobre no município do Alto-Zambeze, província do Moxico, já começou a efectuar trabalhos de prospecção na comuna de Calunda, 44 quilómetros da vila de Cazombo, município do Alto Zambeze, província do Moxico.

A geóloga Marina Tchicanha afirmou ontem, sexta-feira, que os estudos de prospecção de cobre na comuna de Calunda, a serem realizados pela empresa britânica AngloAmerican, revelam indicadores promissores.

A multinacional de exploração de minérios a nível mundial desenvolve exames laboratoriais através dos resultados obtidos das pesquisas feitas no subsolo do cinturão que liga à Zâmbia, República do Congo Democrático e Angola.

Marina Tchicanha destacou que a capacidade técnica da empresa no ramo da exploração do minério em vários países, sublinhando que brevemente arranca pela primeira vez a extracção do cobre naquele espaço do território angolano.

Conforme a responsável, estudos geofísicos e aéreos realizados naquela circunscrição geográfica em 2022, confirmaram a existência de minérios naquele subsolo, entretanto “o desafio agora passar por se saber de que mineiro se trata, por via de exames laboratoriais”.

Além da comuna de Calunda, que dista a 44 quilómetros da vila de Cazombo, sede municipal do Alto Zambeze, o trabalho de prospecção vai abranger a região de Macondo, por onde estão a ser criadas as condições logísticas para abertura de vias, com o intuito de facilitar a mobilidade de máquinas.

Os trabalhos estão a ser assegurados por 50 técnicos entre angolanos e estrangeiros, garantindo que o número de operário poderá aumentar consoante a evolução do processo.

Na ocasião, o governador do Moxico, Ernesto Muangala, destacou o andamento do projecto, sublinhando que terá impacto positivo nas comunidades, com a implementação de acções sociais, em obediência do Código Mineiro vigente no país.

Reiterou que além do Alto Zambeze, outros trabalhos de prospecção mineira que estão a ser feitos nos municípios dos Bundas e Luchazes, pela multinacional anglo-australiana Rio Tinto.

A par dos municípios citados, boa parte das regiões da província do Moxico é rica em recursos hídricos, segundo estudos preliminares do Planageo, possuindo uma intricada riqueza mineral nos seus subsolos, enquanto que, o clima e as condições do terreno, devido a vasta chana, propiciam culturas do arroz, do massango, batata rena e doce, mandioca, milho, feijão, tomate e amendoim.

O município do Alto Zambeze, de forma particular, está localizado numa zona estratégica e rica em mineração de cobre, extracção de cobalto e outros metais.

Dados em posse do Imparcial Press revelaam que o governo angolano e a multinacional anglo-australiana Rio Tinto assinaram, em Janeiro deste ano, um contrato de investimento para a prospecção e exploração de metais básicos na província do Moxico.

O contrato refere-se à “Concessão Moxico”, que abrange uma área de 9.959 km², localizada na província do Moxico. A lista de metais básicos inclui teoricamente minérios como cobre, chumbo, estanho, alumínio, níquel e zinco.

A Rio Tinto opera oficialmente em Angola desde outubro de 2021 e é reconhecida pelo seu sucesso na mineração de ferro, cobre, alumínio, carvão, dióxido de titânio, boro, talco, urânio e diamantes.

Siga-nos
Twitter
Visit Us
Follow Me
LINKEDIN
INSTAGRAM

Compartilhar:

Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
error: Conteúdo protegido