TPI pode emitir mandado de captura contra primeiro-ministro israelita
TPI pode emitir mandado de captura contra primeiro-ministro israelita
Benjamim Netanyahu

O procurador do Tribunal Penal Internacional (TPI), Karim Khan, pediu hoje a emissão de mandados de captura contra o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, e o líder do grupo islamita Hamas em Gaza, Yahya Sinwar, sob a acusação de crimes de guerra e contra a humanidade.

Karim Khan também pediu ao TPI, segundo um comunicado divulgado pelo mesmo em Haia, Países Baixos, que emita mandados de captura contra o ministro da Defesa israelita, Yoav Gallant, o comandante das Brigadas Al-Qassam, Mohammed Al-Masri, e o chefe do gabinete político do Hamas, Ismail Haniyeh.

O Governo israelita já reagiu e considerou “ultrajante” o pedido de mandado de captura contra Benjamin Netanyahu, pelo TPI, e anunciou a criação de um comité especial para contrariar esta decisão.

“A decisão ultrajante do procurador do Tribunal Penal Internacional de Haia é um ataque frontal sem limites às vítimas do dia 07 de Outubro e aos nossos 128 reféns em Gaza”, afirmou hoje, numa publicação na rede social X, o ministro dos Negócios Estrangeiros israelita, Israel Katz.

O chefe da diplomacia anuncia, na mesma nota, ter ordenado a “criação imediata de um comité especial” no Ministério dos Negócios Estrangeiros, “com todas as entidades profissionais, com o objectivo de lutar contra a decisão que visa, em primeiro lugar, algemar as mãos de Israel e impedir o país de exercer o seu direito à autodefesa”.

“Enquanto os assassinos e violadores do Hamas cometem crimes contra a humanidade, contra os nossos irmãos e irmãs, o procurador menciona no mesmo fôlego o primeiro-ministro e o ministro da Defesa de Israel ao lado dos vis monstros nazis do Hamas – uma vergonha histórica que será recordada para sempre”, criticou Israel Katz.

O ministro diz ainda que pretende falar com os seus homólogos “dos principais países do mundo para os exortar a oporem-se à decisão do procurador e a declararem que, mesmo que sejam emitidos mandados, não tencionam aplicá-los contra os dirigentes israelitas”.

“Nenhum poder no mundo nos impedirá de recuperar todos os nossos reféns e de derrubar o regime terrorista do Hamas”, salientou.

O conflito em curso na Faixa de Gaza foi desencadeado pelo ataque do grupo islamita Hamas em solo israelita de 07 de Outubro de 2023, que causou cerca de 1.200 mortos e duas centenas de reféns, segundo as autoridades israelitas.

Em resposta, Israel lançou uma ofensiva militar em grande escala na Faixa de Gaza, que já provocou mais de 35 mil mortos, na maioria civis, de acordo com as autoridades locais controladas pelo Hamas.

A ofensiva israelita está a provocar uma grave crise humanitária em Gaza, com mais de 1,1 milhões de pessoas numa “situação de fome catastrófica” que já está a fazer vítimas – “o número mais elevado alguma vez registado” pela ONU em estudos sobre segurança alimentar no mundo.

Siga-nos
Twitter
Visit Us
Follow Me
LINKEDIN
INSTAGRAM

Compartilhar:

Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
error: Conteúdo protegido