João Lourenço enganado pelo PCA do consórcio Quanten – Governo avalia rescisão de contrato para refinaria do Soyo
João Lourenço enganado pelo PCA do consórcio Quanten – Governo avalia rescisão de contrato para refinaria do Soyo
n19-05

O Presidente da República, João Manuel Gonçalves Lourenço, terá sido enganado pelo presidente do Conselho de Administração do consórcio Quanten Angola, Segun Thomas, relativamente ao financiamento para a construção da refinaria do Soyo, na província do Zaire.

Em Maio de 2022, segundo a investigação do Imparcial Press, João Lourenço recebeu a garantia, durante uma audiência que concedeu ao PCA do consórcio Quanten Angola, empresa que venceu o concurso para a construção da refinaria do Soyo, de que tudo estava preparado para o início do projecto. No entanto, esta promessa revelou-se infundada.

Já em Dezembro do mesmo ano, Segun Thomas assegurou, numa entrevista publicada pelo semanário Expansão, que o consórcio Quanten Angola não receberia qualquer financiamento do Governo angolano, e que os fundos para a construção da refinaria do Soyo proviriam de fontes externas ao país. Até ao momento, isso não se concretizou.

Ontem, terça-feira, 11, o ministro dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás, Diamantino Azevedo, anunciou que o Governo angolano está a ponderar rescindir o contrato com o consórcio Quanten Angola devido a dificuldades de financiamento.

Segundo o ministro dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás, o consórcio Quanten Angola “enfrenta grandes dificuldades em obter financiamento para o projecto da refinaria do Soyo”.

“Tudo está pronto em termos de projeto e área, mas a empresa tem dificuldade em obter financiamento. Demos um prazo à empresa e, caso não consigam, teremos de rescindir este contrato e procurar alternativas”, referiu Diamantino Azevedo durante a audição parlamentar realizada pela Comissão de Economia e Finanças da Assembleia Nacional.

O consórcio liderado pela Quanten ganhou, em 2021, um concurso público internacional para a construção da refinaria do Soyo. É constituído por quatro empresas, sendo três norte-americanas (a líder do consórcio Quanten LLC, a TGT INC e a Aurum & Sharp LLC) e uma angolana (ATIS Nebest).

Com uma capacidade de processamento até 100 mil barris de petróleo bruto diários, previa-se que a construção da refinaria do Soyo, avaliada em 3,5 mil milhões de dólares, fosse concluída em 2025.

A refinaria, a ser construída numa área de 712 hectares a sudoeste do Soyo, previa contar com unidades de processamento e aprovisionamento de petróleo bruto, instalações de transporte e um cais com capacidade para ancorar dois petroleiros com até 100 mil toneladas de petróleo bruto.

O projecto prevê, ainda, a construção de uma zona residencial para mil empregados, uma estação de produção e tratamento de água potável e residual, um aterro sanitário de resíduos e uma central eléctrica.

Siga-nos
Twitter
Visit Us
Follow Me
LINKEDIN
INSTAGRAM

Compartilhar:

Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
error: Conteúdo protegido